UM ENFOQUE INVESTIGATIVO PARA O RESULTADO DE UMA MEDIDA FÍSICA

Michele Hidemi Ueno Guimaraes, Mikiya Muramatsu

Resumen


Este trabalho visa apresentar o que foi repensado sobre a metodologia que está sendo empregada nas aulas de laboratório de Física, dos cursos de Ensino Superior. Um roteiro tradicional de uma experiência que é trabalhada em uma 

universidade particular, da cidade de São Paulo, durante o primeiro ano dos cursos de Engenharia, é parcialmente apresentado. Após um ano, realizando diferentes tipos de experimentos, os alunos ainda apresentam dificuldades, em como escrever corretamente o resultado médio de uma medida física, acompanhado da sua respectiva incerteza. Conceitos como precisão de um instrumento, incerteza de uma medida, desvio padrão ou mesmo unidade de uma grandeza física, pareciam não fazer sentido aos alunos. Diante dessa realidade, estamos propondo um método de ensino, já bastante divulgado na Literatura, mas ainda pouco utilizada pelos nossos colegas brasileiros, que seja baseada na investigação, onde o aluno seja o protagonista de seu aprendizado e não um mero expectador. Apesar de os Parâmetros Curriculares Nacionais (PCNs) enfatizarem a necessidade de um ensino multidisciplinar, contextualizado e centrado na realidade do aluno, ainda vemos instituições e/ou professores pautados em um ensino tradicional, lecionando disciplinas “engessadas” e desconectadas do seu cotidiano. Se o aluno não puder relacionar o que ele está aprendendo na escola, seja na teoria ou na prática, à sua vivência, esse conhecimento não lhe fará sentido. Ademais, parece-nos que o modelo de “preencher tabelas” não tem propiciado um aprendizado efetivo, nem tampouco, desenvolvido o pensamento do aluno. Para que isso fosse possível, seria necessário despender um tempo maior às aulas de laboratório, bem como ao objeto em estudo e uma reformulação da grade curricular dos cursos de Ensino Superior.


Texto completo:

PDF

Referencias


Demo, P. (1998). Educar pela pesquisa. Campinas: Editora Autores Associados.

Frison, L. M. B. (2000). Pesquisa como superação da aula copiada. In.: Atas do III SEMINÁRIO DE PESQUISA EM EDUCAÇÃO DA REGIÃO SUL, Porto Alegre.

Galiazzi, M. C. (2011). Educar pela pesquisa. Ijuí: Editora da UNIJUÍ.

Ueno-Guimarães, M. H.; Simões, B. S. (2015). Como se chegar ao valor da aceleração da gravidade: processo demonstrative ou investigative? In: Atas do XXI SIMPÓSIO NACIONAL DE ENSINO DE FÍSICA, Uberlândia – MG, 26 a 30 de janeiro de 2015.

Carvalho, A. M. P. (1999). Termodinâmica: Um ensino por investigação. São Paulo: FEUSP.

Zômpero, A. e Laburú, C. E. (2012). Implementação de atividades investigativas na disciplina de Ciências em escola pública: Uma experiência didática. At http://www.if.ufrgs.br/ienci/artigos/Artigo_ID311/v17_n3_a2012.pdf. Acesso em: 14 fev. 2014.

Calmettes, B. (2009). Démarche d’investigation en Physique. SPIRALE – Revue de Recherches en Éducation – N° 43 (139-148).

Meyer, D. E. E. Postura investigativa no Ensino Superior. (2013). Conferência proferida no dia 31/07/13 na Capacitação para Professores e Tutores 2013/2: Postura Investigativa no Ensino Superior na Unisinos, São Leopoldo - RS. At http://unisinos.br/blogs/formacao-docente/files/2013/08/DAGMAR-Postura-investigativa-no-Ensino-Superior.pdf. Acesso em: 07 out. 2015.

Strohschoen, A. A. G. e Salvi, L. C. (2013). Construindo práticas educativas no Ensino Superior: roteiros de atividades experimentais e investigativas. Lajeado – RS, Ed. da Univates, 91 p. At https://www.univates.br/editora-univates/media/publicacoes/12/pdf_12.pdf. Acesso em: 07 out. 2015.

Hodson, D. (1994). Hacia un enfoque más crítico del trabajo de laboratorio. ENSEÑANZA DE LAS CIENCIAS, v. 12, n. 3, p. 299-313.

Wenning, C. J. (2010). Levels of inquiry: using inquiry spectrum learning sequences to teach Science. JOURNAL OF PHYSICS TEACHER EDUCATION ONLINE. 5(4), Summer, p. 11-19.

_______. (2011a). Experimental inquiry in introductory physics courses. JOURNAL OF PHYSICS TEACHER EDUCATION ONLINE. v. 6, n. 2, p. 2-8.

_______. (2011b). The levels of inquiry model of Science teaching. JOURNAL OF PHYSICS TEACHER EDUCATION ONLINE. 6(2), Summer, p. 2-9.

Barrow, L. H. (2006). A Brief History of Inquiry: From Dewey to Standards. JOURNAL OF SCIENCE TEACHER EDUCATION, 17:265–278. Available in: http://www.uhu.es/gaia-inm/invest_escolar/httpdocs/biblioteca_pdf/4_Abriefhistoryofinquiry.pdf.

Sasseron, L. H. (2010). Alfabetização científica e documentos oficiais brasileiros: Um diálogo na estrutura do ensino de Física. In ENSINO DE FÍSICA. São Paulo: Cengage Learning. – Coleção ideias em ação.

Borges, A. T. (2002). Novos rumos para o laboratório escolar de Ciências. CADERNO BRASILEIRO DE ENSINO DE FÍSICA, v. 19, n. 3: p. 291-313, dez.

Carvalho, A. M. P. (2010). Ensino de Física. São Paulo: Cengage Learning. – Coleção ideias em ação.

Zômpero, A. F. e Laburú, C. E. (2011). Atividades investigativas no Ensino de Ciências: Aspectos históricos e diferentes abordagens. Disponível em: http://www.portal.fae.ufmg.br/seer/index.php/ensaio/article/download/309/715. Acesso em: 14 fev. 2014.


Enlaces refback

  • No hay ningún enlace refback.


Licencia Creative Commons
Este trabajo está licenciado bajo una Licencia Internacional Creative Commons 4.0 Atribución .

Publicación bajo licencia

Índice Compuesto de Difusión Secundaria(ICDS)=5.8/10.0

Índice de citas h=9, i10=8

Procedencia geográfica de nuestros lectores

Map