APLICAÇÃO DE UM ROTEIRO EXPLORATÓRIO PARA O USO DA SIMULAÇÃO COMPUTACIONAL: MODELOS DO ÁTOMO DE HIDROGÊNIO

Geilson Rodrigues da Silva, Lucas Pereira Gandra, Edvanio Chagas

Resumen


Este artigo investigou a utilização das tecnologias de informação e comunicação no ensino de química, por meio da aplicação e avaliação de um roteiro exploratório do software modelos do átomo de hidrogênio disponibilizado na plataforma PhET Colorado. Para o desenvolvimeno do roteiro, partiu-se da premissa de alinhar o software educativo com os objetivos de aprendizagem, criando com isso oportunidades dos estudantes compreenderem a evolução da construção de modelos científicos mais abrangentes. Seguindo essas ideias o roteiro é constituído de introdução, objetivos, materiais, metodologia, resultados e discussões e conclusões, que foram aplicados a vinte e seis discentes de uma escola pública no Brasil. Para a coleta dos dados, utilizou-se dos registros dos estudantes em seus respectivos quadros. No tratamento dos dados procedeu-se pela análise de conteúdo mais especificamente a categorização a posteriori que permitiu elaborar as seguintes categorias para análise: 1- Abrangente, 2- Comparativa, 3-Reducionista. Dessa forma observou-se que o software aliado ao roteiro, contribuiu para o aprendizado no nível submicroscópico da matéria e auxiliou os estudantes a estabelecerem relações significativas entre os modelos atômicos. 


Texto completo:

PDF (Português (Brasil))

Referencias


ALMEIDA, F,M,G.; (2007). A eficácia dos roteiros de exploração de software no 1° CEB: Uma experiência pedagógica na área de expressão e educação plástica. 2007. 118f. (Dissertação de Mestrado Em Educação Multimédia), Departamento de Educação da Universidade do Porto, Porto.

ARAUJO, I. S.; VEIT, E. A.; MOREIRA, M. A. (2008). Physics students’ performance using computational modelling activities to improve kinematics graphs interpretation. Computers & Education, New York, v. 50, n. 4, p.1128-1140.

BACHELARD, G. (1996). A formação do espírito científico: contribuição para uma psicanálise do conhecimento. 1 ed. Contraponto: Rio de Janeiro.

BARDIN, L. (2009). Análise de Conteúdo. 4. ed. Lisboa: Edições 70.

BARROS, F, C, L, S.; (2011). O Estudo de uma Simulação em Soluções Ácido-base. 2011. 68f. Tese (Doutorado em Educação), Departamento de Física e Química da Universidade do Porto, Porto.

BRASIL. MEC. (1999). Parâmetros Curriculares Nacionais: Ensino Médio. Brasília: MEC/SEMTEC.

CUPANI, A, PIETROCOLA, M.; (2002). A Relevância da Epistemologia de Mario Bunge para o Ensino de Ciências. Caderno Brasileiro Ensino de Física. v. 19, número especial: p. 100-125.

GOMES, H. J. P.; OLIVEIRA, O. B, de. (2007). Obstáculos Epistemológicos no ensino de Ciências: um estudo sobre as suas influências nas concepções de átomo. Ciência e Cognição. Vol 12. Pg. 96-109.

JOHNSTON, D.; CRAWFORD, K.; FLETCHER, P. R.(1998). Student difficulties in learning quantum mechanics. International Journal of Science Education, London, v. 20, n. 4, p. 427-446.

JUNIOR, J, L, M.A.; (2013). Modelo Atômico Quântico: Uma alternativa para a introdução no ensino médio. 2013. 99f. Dissertação (Mestrado em ensino de ciências naturais), Instituto de Física, Universidade Federal de Mato Grosso, Cuiabá.

JUSTI, R. (2010). Modelos e modelagem no ensino de Química: um olhar sobre aspectos essenciais pouco discutidos. In: SANTOS, Wildson Luiz P. dos; MALDANER, Otavio Aloisio (Org.). Ensino de Química em foco. Ijuí (RS): Unijui, P. 209-230.

MARTINS, A, J.; FIOLHAIS, C, PAIVA, J.; (2003). Simulações on-line no ensino da física e da química. Revista Brasileira De Informática na Educação. v.11 n. 2, p. 1-11.

MORAES, C.; PAIVA, J,C.; (2006). Usando o programa sobre equilíbrio químico “Le Chat”. Boletim da Sociedade Portuguesa de Química, v. 100, s/n, p. 87-89.

OLIVEIRA, S, F.; et.al.; (2013). Softwares de Simulação no Ensino de Atomística: Experiências Computacionais para Evidenciar Micromundos. Química Nova Na Escola. v. 35, n. 3, p. 147-151.

PAIVA, J. C.; GIL, V, A.; CORREIA, F.; (2002). Le Chat: simulation in Chemical Equilibrium. Journal of Chemical Education, v. 79, n.1, s/n, p. 640-641.

PAIVA, J.C.; COSTA, L.A.; (2005). Roteiros de Exploração-valorização pedagógica de software educativo de Química. Boletim da Sociedade Portuguesa de Química, v.96 p.64-66.

PAIVA, J.C.; (2007). O Fascínio de ser professor. 1 ed. Porto: Textos Editores.

PAULO, I. J. C.; MOREIRA, M.A. (2011). O problema da linguagem e o ensino de mecânica quântica no nível médio. Ciência & Educação, v. 17, n, 2, p. 421-434.

PINTO, A, C.; (1999). É Possível Levar A Física Quântica Para O Ensino Médio? Caderno Catarinense de ensino de física. v. 16, n. 1: p. 7-34.

RIBEIRO, A. A.; GRECA, I. M. (2003). Simulações Computacionais e Ferramentas de Modelização em Educação Química: uma revisão da literatura publicada. Química Nova. São Paulo, v. 26, n. 4.

TAVARES, R.; SOUZA, R, O, O.; CORREIA, A, O.; (2013). Um Estudo Sobre a “Tic” e o ensino da química. Gestão, Inovação e Tecnologias. v. 3, n.5, p.155-167.


Enlaces refback

  • No hay ningún enlace refback.


Copyright (c) 2017 Geilson Rodrigues da Silva, Lucas Pereira Gandra

Licencia Creative Commons
Este trabajo está licenciado bajo una Licencia Internacional Creative Commons 4.0 Atribución .

Publicación bajo licencia

Open Archives Initiative

Índice Compuesto de Difusión Secundaria(ICDS)=3.500/10.000

Factor de Impacto(2014)=0.1341

Factor de Impacto(2015)=0.454

Procedencia geográfica de nuestros lectores

Map

 

CREADOR DE LA REVISTA FORMACIÓN Y CALIDAD EDUCATIVA: Dr. C. Rafael Tejeda Díaz, PhD.