INOVAÇÃO E MUDANÇAS TECNOLÓGICAS: SEU IMPACTO NA QUALIDADE DO PROCESSO DE ENSINO E APRENDIZAGEM

João Baptista Machado Sousa

Resumen


Resumo

O conceito de inovação é polissémico, na medida em que existe alguma diferença entre si e os termos reforma e mudança sendo que reforma e inovação não se incluem na abrangência do conceito de mudança educativa. Nesta perspectiva, a inovação pode ser considerada como o resultado da aplicação da tecnologia em determinado contexto, que por sua vez deriva da evolução da ciência. Neste artigo, sistematizam-se alguns elementos sobre a inovação e as mudanças tecnológicas e seu impacto no processo de ensino e aprendizagem, com ênfase nas das tecnologias de informação e comunicação em Angola.

Palavras-chave: inovação; mudanças tecnológicas; processo de ensino e aprendizagem; tecnologias de informação e comunicação.

INNOVATION AND TECHNOLOGICAL CHANGES: ITS IMPACT ON THE QUALITY OF THE TEACHING AND LEARNING PROCESS

Abstract

The concept of innovation is polysemic insofar as there is some difference between them and the terms reform and change, and reform and innovation do not fall within the scope of the concept of educational change. In this perspective, innovation can be considered as the result of the application of technology in a given context, which in turn derives from the evolution of science. This article systematizes some elements about the innovation and technological changes and their impact on the teaching and learning process, with emphasis on information and communication technologies in Angola.

Keywords: innovation, technological change, teaching and learning process, information and communication technologies.


Texto completo:

PDF (Português (Brasil))

Referencias


ALMEIDA, M. E. B. (2011). Tecnologia e educação a distância: abordagens e contribuições dos ambientes digitais e interativos de aprendizagem. Revista Brasileira de Educação a Distância, p. 6.

ALONSO, L. (1998). Inovação Curricular, formação de professores e melhoria da escola. Dissertação de doutoramento. Braga: Universidade do Minho.

AUDY, J. (2017). A inovação, o desenvolvimento e o papel da Universidade. Scielo, Revista de Estudos Avançados. Volume. 31. Número. 90. Pp. (75-87). Brasil. DOI. 10.1590/s0103-40142017.3190005

BARRAZA M. A. (2005). Una conceptualización comprehensiva de La innovación educativa. Revista Innovación Educativa. Volume. 5. N. 28. pp. (19-31).

BARRAZA M. A. (2007). Análisis conceptual del término innovación educativa. Revista Visión Educativa. IUNAES. Volume. 1. Número. 3.

BESSANT, J. & TIDD, J. (2009). Inovação e Empreendedorismo. Porto Alegre: Bookman.

BLANCO, G. R.; MESSINA, G. (2000). Estado Del arte sobre las innovaciones educativas en América Latina. Colombia: Convenio Andrés Bello-UNESCO.

CAMPOLINA, L. O. & MARTÍNEZ, A. M. (2013). Factores Favoráveis à Inovação: Estudo de Caso em uma Organização Escolar. Revista Psicologia: Organizações e Trabalho. Volume. 13. Número. 3. (pp . 325-338). Brasil

CARDOSO, A. P. O. (2003). A Receptividade à Mudança e à Inovação Pedagógica: o professor e o contexto escolar. Porto: Edições Asa.

CHRISTENSEN, C. M.; HORN, M. B.; JOHNSON, C. W. (2012). Inovação na sala de aula: como a inovação disruptiva muda a forma de aprender. Tradução de Rodrigo Sardemberg. Porto Alegre: Bookman.

COELHO, J. M. P.; COLVARA, J. S.; ROLIM, S. C. (2017). A Inovação e seus Impactos no Contexto da Cultura Educacional. Revista Científica Multidisciplinar Núcleo do Conhecimento. Edição 04. Ano 02, Vol. 01. pp (158-178).

COLECTIVO DE AUTORES. (2007). Problemas Sociales de la Ciencia y la Tecnología. Grupo de Estudios Sociales de la Ciencia y la Tecnología. La Habana. Cuba: Editorial Félix Varela.

DRUCKER, P. (2002). The discipline of innovation. Harvard Business Review. New York: Harvard Business School Press, p. 80-85, Aug.

FIGUEIREDO, A. D. (2011). Inovar em Educação, Educar para a Inovação. In: FERNANDES, D. (Org.), Avaliação em educação: olhares sobre uma prática social incontornável. Pinhais: Editora Melo. (p. 13-28).

FULLAN, M. (2002). Los nuevos significados del cambio en la educación. Barcelona: Octaedro.

GOMEZ, G. O. (2007). Podemos ser mais criativos ao adotar a inovação tecnológica em educação? Uma proposta em comunicação. Revista Matrizes (on line). Nº 1, p.209-216.

GOULART, N. M. R. (2010). O impacto da inclusão tecnológica na instituição de Educação Infantil: a história que mudou a face de uma escola. Brasil: Universidade Federal do Rio Grande do Sul.

GUIMARÃES, J. C. F. et al. (2012). Inovação de Processos em Instituições de Ensino Superior. Researcher Gate. Disponível em: https://www.researchgate.net/publication/276306496. Consultado: 02/12/2017.

HALABAN, P. (2001). Texto e hipertexto: ¿muerte del libro? Revista Educación, Volume. 2. No. 104. La Habana. P. (3-7).

HARGREAVES, A.; EARL, L.; RYAN, J. (1996). Schooling for change: reinventing education for early adolescents. Philadelphia: Falmer Press.

HERNÁNDEZ, F.; SANCHO, J. M. (2000). Aprendendo com as Inovações nas Escolas.Porto Alegre: Artmed

IIZUKA, E. S. (org). (2015). Experiências inovadoras de ensino e aprendizagem.1ª Edição 2014-2015. São Paulo: Centro Universitário FEI.

MESSINA, G. (2001). Mudança e inovação educacional: notas para reflexão. Revista Cadernos de Pesquisa. Nº 114. p. (225-233).

NÓVOA, A. (2013). Políticas para o ensino superior: Inovações pedagógicas no processo de ensino e aprendizagem. Palestra proferida na academia de professores

PRATA-LINHARES, M. & ARRUDA, R. D. (2017). Inovação e integração das tecnologias digitais na docência universitária: conceitos e relações. Revista Reflexão e Ação. Volume. 25. Numero. 2. (p.250-268). Brasil. Doi: 10.17058/rea.v25i2.8843.

PRINCE, D. J. S. (1980). Ciencia y Tecnología. Distribuciones e interacciones. Estudio sobre sociología de la ciencia. (B. Barnes editor), Madrid: Editorial Alianza Universidad.

REPÚBLICA DE ANGOLA (2010). Estudos Prévios à necessidade de implementação de medidas de desenvolvimento e promoção da indústria nacional do sector das TIC em Angola. Ministério das Telecomunicações e Tecnologias de Informação: Luanda

REPÚBLICA DE ANGOLA (2010). Livro Branco das Tecnologias de Informação e Comunicação. Governo de Angola: Luanda

REPÚBLICA DE ANGOLA (2012). O desempenho de Angola no Sector das Tecnologias de Informação e Comunicação no âmbito das recomendações da Cimeira Mundial da Sociedade de Informação. Ministério das Telecomunicações e Tecnologias de Informação: Genebra

SAVIANI, D. (1995). A Filosofia da educação e o problema da inovação em educação. In: GARCIA, W. E. Inovação Educacional no Brasil: problemas e perspectivas. São Paulo: Cortez Editora.

SILVAA, D. O.; BAGNOB, R. B.; SALERNO, M. S. (2014). Modelos para a gestão da inovação: revisão e análise da literatura. Revista Production. Volume. 24. Número. 2. p. (477-490). Brasil. doi: http://dx.doi.org/10.1590/S0103-65132013005000059.

SOUSA, J. B. M. (2015). Conferência sobre tecnologia educativa. Huambo: EFTS.

SOUSA, J. B. M. (2016). Computadores no Ensino. 1ra edição. Saarbrucken: Novas Edições Académicas.

TEIXEIRA, C. M. F. (2010). Inovar é preciso: concepções de inovação em educação. Dissertação de Mestrado. UDESC. Disponível em: http://www.tede.udesc.br/handle/handle/1057. Consultado: 09/11/2017

THURLER, M. G. (2001). Inovar no interior da escola. Porto Alegre: Artmed

ZALDÍVAR, M. C. & RODRIGUES, M. J. C. (2015). La estrategia de ciencia e innovación en el Instituto Superior de Ciencias de la Educación (ISCED) de la provincia de Huambo en la República de Angola. Revista Órbita Pedagógica. Vol. 2. No. 3. Pp. (1-8). Angola.


Enlaces refback

  • No hay ningún enlace refback.


Copyright (c) 2018 João Baptista Machado Sousa

Licencia Creative Commons
Este trabajo está licenciado bajo una Licencia Internacional Creative Commons 4.0 Atribución .

Publicación bajo licencia

Open Archives Initiative

Índice Compuesto de Difusión Secundaria(ICDS)=3.6/10.0

Procedencia geográfica de nuestros lectores

Map

 

CREADOR DE LA REVISTA FORMACIÓN Y CALIDAD EDUCATIVA: Dr. C. Rafael Tejeda Díaz, PhD.